Por Ademilson Ramos

O ano de 2020 trouxe desafios em todas as áreas, mas também nos ensinou que é importante estar pronto para mudanças rápidas e aproveitar as oportunidades. Isso é especialmente verdade quando o assunto é o mercado imobiliário.
Indo contra o senso comum, o segmento cresceu 26% em 2020, de acordo com dados da Fipe. E a previsão é que em 2021 as vendas de imóveis aumentem em 35%, segundo projeção da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc). O que poderia ter sido um período difícil revelou-se uma grande oportunidade, especialmente para empreendimentos inteligentes.
Desde o início da pandemia, a Planet Smart City, não só avançou com as Smart Cities em Natal – RN, São Gonçalo do Amarante e Aquiraz – CE, como expandiu seus negócios Brasil afora, tendo como epicentro a cidade de São Paulo.
A estreia da empresa na capital paulista se deu com a Viva!Smart, construído em parceria com a InLoop, incorporadora com bastante experiência no mercado.
Trata-se de condomínios inteligentes compostos por quatro empreendimentos, totalizando 2.500 apartamentos em Bela Vista, Itaquera, Jabaquara e Freguesia do Ó. O primeiro deles, o Aquarela Bela Vista, foi entregue com 100% das unidades residenciais vendidas.
Ao contrário das cidades inteligentes de Natal, no Rio Grande do Norte, e de Laguna e Aquiraz, no Ceará, que são horizontais, a aposta da Planet em São Paulo foi pelo modelo vertical. A CEO da empresa no Brasil, Susanna Marchionni, garante que, apesar da diferença nos projetos, os benefícios em termos de conectividade e colaboração são os mesmos, com amplo incentivo à econômica compartilhada.
“Todos os empreendimentos contam com mais de 50 soluções inteligentes e ferramentas para tornar a vida mais fácil, confiável, econômica e segura. São facilidades como serviço de compartilhamento de bicicletas, troca de livros, hortas urbanas, lavanderias comunitárias e espaços smart office”, explica ela, que garante tudo ter sido pensando para oportunizar “um estilo de vida integrado e colaborativo”.
Além disso, como detalha Susanna, há ainda um aplicativo gratuito, o Planet App, capaz de promover a troca de serviços, produtos e informações entre os moradores. Desenvolvido pelo Centro de Competência da Planet na Itália, ele funciona como o painel de controle do condomínio, sendo essencial na promoção da economia compartilhada, barateando o custo de vida, reduzindo o desperdício e otimizando tempo e recursos.
Com os projetos verticais da capital paulista em andamento, a Planet Smart City agora parte para conquistar outros espaços. Com o déficit habitacional ainda muito grande no Brasil, o mercado imobiliário demonstra otimismo em sua expansão, ainda que os agentes contem com a manutenção dos juros baixos e manutenção de programas habitacionais do Governo, como o Casa Verde e Amarela, antigo Minha Casa Minha Vida.
Isso tem beneficiado as famílias com renda de até 7 mil reais, facilitando a compra de imóveis e dando acesso às famílias de diferentes faixas de renda a moradias adequadas e de qualidade.
A Smart City Bahia, em Camaçari, está em fase final de aprovação e tem prazo de lançamento estimado para 2021. Outras cidades em todo o Brasil estão sendo visitadas pela empresa, expansão que demonstra a aprovação da proposta inteligente ofertada pela construtora. Conheça mais sobre os projetos da Planet Smart City em: www.planetsmartcity.com.br  Ademilson Ramos é engenheiro e criador do site engenhariae.com.br

Modelo de outro projeto em residencial
Área interna da residência
Até o gramado para esportes é diferenciado
Os empreendimentos são exemplos de cidades inteligentes
Setor de sala e espaço interno de moradia econômica
Quarto de criança decorado
Infraestrutura completa em serviços

Compartilhar no
Smart Cities chegam, expandindo e modernizando espaços públicos e moradias