Hospital entregou livro, fotos e toquinhas que foram produzidos especialmente para marcar a data; Novembro Roxo visa sensibilizar sociedade sobre os cuidados com prematuros e suas famílias

Comemoração envolveu funcionárias e mães de filhos prematuros no HBU

O HBU (Hospital Beneficente Unimar) realizou na terça-feira (17) atividade para marcar o Dia Mundial da Prematuridade. Objetivo é sensibilizar a sociedade e prestar homenagem para mães de filhos prematuros, que enfrentam estresse do período com fé, dedicação e apoio das funcionárias da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Neonatal do hospital.

Mães de prematuros que foram ou que estão sendo atendidos pelo HBU foram convidadas para um café da tarde, para entrega das lembrancinhas e lembrar da importância do trabalho desenvolvido pelos médicos e médicas, além da equipe de enfermagem e outros profissionais de apoio. Durante o café, as mães receberam mimos que foram produzidos pela equipe do hospital e também por mulheres que tiveram os filhos prematuros e quiseram compartilhar sua experiência com as outras mães.

Entrega de lembrancinhas fez parte da programação para celebrar o Dia da Prematuridade

A ex-funcionária do HBU, Maria Aparecida de Castro, que atuou no hospital entre os anos de 2000 a 2017, recebeu uma placa por seu trabalho de voluntariado. Ela produz meias, ‘naninhas’ e toquinhas que são doadas aos bebês que são atendidos na UTI Neonatal.

Ela destacou que tomou essa iniciativa como forma de contribuir com as mães e seus filhos. A iniciativa começou porque ela mesma teve netos prematuros. “Eles foram atendidos aqui e estou com outro netinho na minha casa. Ele tem dez meses e ficou três na UTI Neonatal. Como eu gosto de artesanato, faço estes mimos para aliviar o estresse das mães”, afirmou.

Estrutura

A UTI Neonatal do HBU de Marília é dotada de uma estrutura funcional, não só para atender os bebês prematuros como também as mães. Segundo a médica coordenadora da UTI Neonatal, Daniele Carvaho Garbelini, são 10 leitos e a estrutura é montada para atender os bebês prematuros de uma forma adequada, mas também para receber as suas famílias.

“Com essa estrutura elas podem participar desse momento da vida dos filhos, onde normalmente eles ficarão afastados das suas famílias. Mas a gente procura trazer o pai e a mãe para dentro da unidade para que eles possam participar de todo esse tempo de vida do bebê”, destacou Daniele.

Ela explicou ainda que todo atendimento tem o objetivo de fazer as crianças crescerem e se desenvolverem para poderem ir para casa com segurança.

O Dia da Prematuridade tem o objetivo de chamar a atenção da sociedade para esses bebês prematuros. “Esse pacientezinho tão pequenino que muitas vezes é esquecido. E a maioria das pessoas não consegue imaginar a força que esses bebês têm, muitas vezes muito mais força do que gente grande”, brincou.

Daniele explica que as famílias, o pai e a mãe, passam por uma quebra da expectativa que tinham de pegar o bebê no colo, poder amamentar e sair do hospital com o filho no colo, podendo amamentar. “Quando nada disso acontece, então tem uma quebra muito grande da expectativa, com uma frustração enorme. Pequenos gestos como esses de hoje procuram trazer um pouco da magia desse momento para essas famílias, tanto para a mãe quanto para o pai, de forma diferente”, ressaltou.

O livro entregue em doação para todas as convidadas foi escrito por uma mãe que teve o filho com 28 semanas de gestação e ficou vários dias com ele no hospital “Quando ela saiu daqui, sentiu essa necessidade de passar para as outras mães tudo aquilo que aconteceu. A forma como ele chegou e como tudo aquilo transformou a vida dela. Uma vida que era completamente programada de outra forma e a chegada desse bebê prematuro mudou tudo e como essa mudança para ela foi positiva”, afirmou Daniele.

Incidência

Segundo a plantonista da UTI Neonatal do HBU, Flávia Regina de Oliveira Silva Almeida, a incidência de casos de nascimentos prematuros é muito alta em todo o mundo. Conforme a médica, não é possível determinar uma causa específica para essa ocorrência. “Às vezes, mesmo fazendo o pré-natal, cuidando da alimentação, evitando a ingestão de álcool ou fumo e todas as medidas de cuidados, ainda pode ocasionar o nascimento prematuro”, apontou.

Conforme Flávia, diante do nascimento prematuro é preciso adotar todas as medidas para que a criança tenha um pleno desenvolvimento, lembrando também de cuidar da mãe. “As principais medidas de atendimento visam evitar as infecções, garantir o crescimento e o desenvolvimento da criança, fazer com que ela tenha uma alimentação adequada, inclusive no peito da mãe, uma vez que o leite materno é essencial aos bebês”, explicou Flávia.

Conforme a plantonista, a UTI Neonatal dispõe de toda estrutura tecnológica, assim como equipe preparada para dar todo o suporte ao bebê e à sua família. “Temos uma UTI Neonatal muito bem estruturada e uma equipe treinada, com médico, enfermeiro, técnico de enfermagem, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional e outros. Todos muito bem treinados e preparados para os cuidados com esses bebês. Também é preciso destacar a parte dos exames, também disponíveis a qualquer momento e com muita precisão”, ressaltou.

Flávia apontou ainda que tudo é feito com muito carinho e dedicação, para que os bebês sejam muito bem recebidos e que tenham a melhor evolução possível até a alta.

Para a supervisora de enfermagem da maternidade do HBU, Centro Obstétrico e UTI Neonatal, Aline Marzola, o parto prematuro pode ser evitado muitas vezes, ajudando a minimizar os danos causados ao bebê. “Para alertar a população mundial sobre os perigos e desafios da prematuridade, foi instituído o Dia Mundial da Prematuridade, fixado em 17 de novembro. Durante este período, são realizados eventos culturais voltados à conscientização e aos cuidados com os prematuros”, destacou.

Aline explicou ainda que a data foi instituída mundialmente, e serve como conscientização, não só dos profissionais da saúde, como das futuras mamães. “Por conta dessa conscientização, os cuidados com os prematuros evoluíram significativamente. A capacitação dos profissionais, a estrutura que temos para receber estes pequenos, o carinho que a equipe de assistência tem com os bebês e com as mães fazem toda a diferença na sobrevida destes bebês.” Quanto à conscientização das futuras mamães, Aline Marzola ressalta que a realização do pré-natal é fundamental, com todas as consultas e exames que devem ser feitos para o acompanhamento adequado da gestação. “As chances de identificar algo que possa contribuir para que o bebê chegue antes do previsto são maiores, uma vez que o pré-natal está diretamente relacionado ao bem-estar tanto da gestante quanto do bebê que está chegando”, conclui.

Compartilhar no
HBU homenageia mães e ex-funcionária  voluntária no Dia da Prematuridade