Do xote ao rock, um pouco de tudo na obras de grandes artistas brasileiros

MARCELO QUINTANILHA

Que tal uma versão de ‘Codinome Beija-Flor’ em tempo de valsa? Ou ‘Blues da Piedade’ cantado à capela por um coral gospel? Estes e outros grandes sucessos estão em ‘Caju – Canções de Cazuza’, de Marcelo Quintanilha e, claro, com versões inéditas, criadas em coautoria com o maestro Rodrigo Petreca – a única exceção de arranjos é de Xinho Rodrigues, em ‘Faz Parte do Meu Show’. O disco é uma homenagem aos 60 anos que Cazuza em 2018. O artista morreu em 7 de julho de 1990, aos 32 anos, de choque séptico provocado pela AIDS.

TÂNIA GRINBERG E FÁBIO MADUREIRA

Xote, rock progressivo, música caipira… De um oceano de possibilidades de ritmos e versos pingou uma ‘Gota Onde Nada o Peixe’, uma obra hidratada a muito talento pelas vozes de Tânia Grinberg e do violonista Fábio Madureira. É a primeira vez que a parceria, brotada em 2015, chega ao mercado fonográfico. Tânia é escritora, educadora e atriz. Fábio tem pós-graduação em música com especialização popular. O encontro destes dois afluentes culturais resultou em belas canções como ‘Novelo’, ‘Semente’ e ‘Dragão Dourado’ – esta última, com voz do mestre Antônio Nóbrega.

DOIS POR DOIS

Você conhece o ‘baião-jazz’? Então não deixe de apreciar ‘Dois por Dois’, faixa-tema da obra-prima produzida pelas mãos do pianista Michel Freidenson e do saxofonista/flautista Teco Cardoso. Ambos interpretam as composições de Luiz Millan e Moacyr Zwarg (1945-2017), com participação especial da cantora Anna Setton. O encontro foi gravado ao vivo em 2016 no palco do Espaço Promon, em São Paulo. Ficou tão bom que gerou um documentário, além do CD/DVD. A distribuição é pela Tratore, com legendas em inglês.

Compartilhar no
Metamorfose