Parte dos eleitores de Marília questionou a trajetória familiar do candidato Adão Brito (PDT) após o político divulgar em debates eleitorais que seu irmão, Carlos Brito, que faleceu aos 37 anos, teria morrido após faltar um balão de oxigênio em um hospital da cidade.

A confusão entre determinados eleitores ocorreu porque relacionaram “balão de oxigênio” com “respirador”, gerando uma confusão devido ao novo coronavírus.“Ele colocou no debate que o irmão morreu por falta de oxigênio, mas isso não é verdade. Nós assistimos o debate”, denunciou uma leitora ao D Marília.

Para esclarecer os comentários, a reportagem procurou o candidato Adão Brito para esclarecer a confusão causada pela falta de esclarecimento entre o político e uma parcela da população.

“Faz mais de um ano e não tem nada relacionado com o Covid-19. O vírus não existia”, garantiu Adão Brito. “Há um ano meu irmão estava fazendo o tratamento contra um câncer no reto. Ele costumava ter falta de ar quando ficava nervoso, porém estava melhorando. Em um de suas crises com falta de ar, o Carlos precisou de um balão de oxigênio e não tinha no hospital. Ele faleceu em seguida”, denunciou o candidato pelo PDT.

Adão Brito comentou que entrou com uma ação na Justiça contra o hospital e o plano de saúde. A sessão do julgamento deverá ocorrer ainda neste ano.

Compartilhar no
Adão Brito tem trajetória familiar questionada por uma parcela eleitores; Político esclarece o imbróglio
Candidato Adão Brito e seu irmão Carlos Brito que faleceu em 2019 (Foto: Arquivo Pessoal)