A catarata é hoje a principal causa de cegueira evitável no mundo, e seu tratamento exclusivamente cirúrgico ainda preocupa pacientes, que tendem a postergar exames por medo do procedimento. Casos recentes como da rápida recuperação da apresentadora Ana Maria Braga, porém, ajudam a esclarecer que avanços tecnológicos permitem hoje intervenções mais precisas e sem injeção local, garantindo mais segurança e bem-estar ao operado -como foi Ana, que declarou ter ficado surpresa com a agilidade e o conforto sentidos em sua experiência.
De acordo com a PEBMED (pesquisa médica e serviços tecnológicos da área da saúde) , a catarata é a origem de metade dos casos de cegueira reversível em todo o mundo. No Brasil, os números divulgados no último ano pelo CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia) impressionam devido ao crescimento de cirurgias de catarata realizadas pelo SUS (Sistema único de Saúde), que saltaram de 302.312, em 2009, para 600.844, em 2019 -aumento de aproximadamente 99%. Por isso, os avanços tecnológicos na área são fundamentais.
Diante do cenário, a alemã ZEISS, referência universal em tecnologia voltada à saúde ocular, alerta que um diagnóstico precoce é fator de extrema importância para evitar a perda da visão; estimula, ainda, o compartilhamento de informação atualizada sobre a reversão da enfermidade, que conta com o suporte de equipamentos em constante evolução para otimizar processos e minimizar incômodos.
Convidada pela ZEISS, a oftalmologista Alessia Braz, diretora clínica da Univi (centro oftalmológico especializado no diagnóstico e tratamento de doenças oculares), responde às principais perguntas sobre o tratamento da catarata e ajuda a desmistificar crenças sobre a doença, que resume ser “a perda da transparência do cristalino, que é a lente interna do olho”.

O QUE É CATARATA?
É o processo de opacificação do cristalino. Considerado a lente natural do olho, o cristalino geralmente é incolor e permite a focalização de objetos.

COMO ELA SE MANIFESTA?
Embaçamento gradual da visão. Diminuição do contraste das cores e da forma dos objetos. Em alguns casos pode haver alteração do grau, com “indução de miopia”, chegando a dar a falsa impressão de melhora para ver de perto. Mancha branca na pupila pode surgir em casos avançados.

QUANDO OCORRE?
O mais comum é haver a perda da transparência com o passar do tempo, configurando a catarata senil. Portanto, idosos são mais propensos à evolução da doença. Mas ela também pode ocorrer por questão congênita, trauma, uso de medicamentos como cortisona ou mesmo por alterações metabólicas como diabetes.

COMO DETECTAR?
Exames oftalmológicos periódicos com avaliação minuciosa permitem o diagnóstico precoce. Equipamentos modernos contribuem para a otimização desta etapa, a exemplo do IOLMaster® 700, recém-lançado pela ZEISS, que permite a leitura fácil e precisa do comprimento completo do olho (comprimento axial), medindo a catarata avançada em 99% dos casos

TRATAMENTO
O tratamento é cirúrgico, com indicação cada vez mais precoce (a ideia de que a catarata precisa amadurecer para ser operada é conceito ultrapassado). No procedimento, o cristalino é substituído por uma lente intraocular, que corrige a visão. O cálculo do grau da lente a ser implantada é feito por equipamentos ultratecnológicos, como o IOLMaster® 700, com muito mais precisão.

AVANÇOS NA CIRURGIA
Hoje, são feitas microincisões sem pontos nem injeção anestésica dentro do olho. A técnica ficou mais precisa; a anestesia é local, com colírio e sedação, e o paciente já sai movimentando todo o olho. São usados desde microscópios de alta resolução até aparelhos que permitem a remoção do cristalino com mais segurança.
Um desses dispositivos é o inovador ZEISS miLOOP, que acaba de ser lançado no Brasil e atua como uma espécie de laço em torno do cristalino opacificado para, minimizando o estresse em sua estrutura de sustentação, apertá-lo e fragmentá-lo, permitindo sua retirada com facilidade pelo cirurgião.

Novas tecnologias revertem catarata de forma precisa, sem injeção e com rápida recuperação
Dias após a apresentadora Ana Maria Braga comparar a operação a um milagre, por sua rapidez e conforto, a ZEISS reforça que diagnóstico precoce e inovações garantem bem-estar a pacientes