Em um cenário de rápido avanço das tecnologias voltadas para o ramo empresarial e corporativo, a análise de grandes consultorias é que os dados serão preponderantes para qualquer tipo de negócio nos próximos anos.
De acordo com a IBM, até o final desse ano o número de vagas para Cientistas de Dados no mundo deve chegar a 2,7 milhões. Em 2017, eram cerca de 364 mil profissionais nessa carreira. A requisição de talentos com essa formação é justamente explicada pela quantidade de decisões empresariais que serão tomadas a partir de dados.
Empresas de tecnologia, que costumam ter como premissa a inovação, são um bom exemplo de mercado que tem cada vez mais buscado por soluções avançadas baseadas em dados para contribuir com seus resultados em vendas.
Como normalmente utilizam o outbound marketing (prospecção ativa), quanto mais informações essas companhias tiverem de seus potenciais clientes, mais assertiva e competitiva será sua abordagem comercial. Mas em um segmento tão competitivo como este, quanto menos tempo se gasta buscando informações, mais tempo sobra para utilizar fazendo as vendas.
Neste contexto, as ferramentas digitais de prospecção surgem como diferenciais para este setor, pois proporcionam uma riqueza de detalhes com agilidade e fornecem leads B2B verdadeiramente efetivos.
“Há algum tempo as empresas de tecnologia entendem dados como matérias-primas para o fechamento de novos negócios. Por causa disso, as informações cruzadas por meio de big data literalmente significam valor agregado e quanto mais ágeis e assertivas elas forem, mais efetivo será o resultado da prospecção”, explica Diogo Públio, fundador e CEO da Speedio, uma plataforma de geração de leads B2B.

DIFERENCIAIS DIGITAIS
PARA PROSPECÇÃO

Nesse cenário, as ferramentas digitais oferecem para essas empresas de tecnologia uma prospecção com bastante refino e fazem com que a distância entre o contato e as vendas seja bastante encurtada.
O sistema da plataforma da Speedio, por exemplo, realiza a geração de leads B2B baseada em tecnologias como Big Data e Inteligência Artificial, onde todas as informações obtidas são cruzadas para que seja feita uma análise do que é mais interessante para que o cliente use na hora da prospecção. Os dados são capturados a partir de sites, redes sociais e órgãos governamentais (mais de 100 fontes públicas no total), para que a melhor informação possível seja entregue.
Considerando a complexidade da ferramenta, a captura e formação de bancos de dados, é capaz de proporcionar ao usuário o acesso a mais de 70 filtros para encontrar exatamente o que está sendo procurado: seu ICP (Ideal Customer Profile). “Dentro desse filtro disponibilizamos informações como atividade da empresa a ser prospectada, localização, porte, número de colaboradores, faturamento real/estimado, atividade, gestores, telefones e e-mails”, esclarece Públio.

Maucir Nascimento, cofundador da Speedio, exemplifica como a informação específica pode se tornar valiosa nas mãos das companhias que atuam no segmento tecnológico: para uma empresa no ramo de CRM (Customer Relationship Management) ou ERP (Enterprise Resource Planning), se seus potenciais clientes já usam essas soluções, mesmo que o software de uma empresa concorrente, ter essa informação pode acelerar seu processo de venda, pois a equipe responsável pela prospecção terá os dados necessários para primeiro, chegar em quem decide, e então negociar de maneira mais competitiva apresentando seus diferenciais para superar a concorrência.
“O objetivo é essencialmente apresentar a informação certa para empresa certa. O resultado do esforço de vendas é automaticamente multiplicado utilizando esse tipo de inteligência comercial”, diz Maucir.
Deste modo, uma empresa que tem acesso a uma base de dados rica e assertiva está um passo à frente e possui uma boa vantagem no fechamento de novos negócios, pois seu time de vendas saberá exatamente com quem está lidando e não perderá tempo com ligações frias pra empresas sem fit (fora do ICP). Este é precisamente o motivo pelo qual as companhias de tecnologia que investem em dados estão conquistando o topo dos empreendimentos mais valiosos do mundo. Os dados têm se tornado um ativo importante para as empresas, por isso, é muito comum ouvir de empresários que dados são o “novo petróleo” ou que “valem ouro”.

Compartilhar no
Como empresas de tecnologia podem fazer dados “valerem ouro”