O vice-presidente da Associação Comercial e Empresarial de Pompeia, Chikao Nishimura, sugeriu na última reunião de diretoria da entidade, para que comerciantes da cidade de Pompeia criem estratégia e tenham um planejamento específico, visando ainda este ano, o funcionamento do pedágio construído entre as cidades de Marília e Pompeia, na rodovia SP 294, que pode se tornar um complicador para o consumidor em geral. “Precisamos ouvir os comerciantes e consumidores para saber a opinião deles sobre um futuro comportamento econômico em Pompeia com a existência do pedágio em breve”, disse o dirigente que se mostra preocupado diante da preocupação de parte dos comerciantes pompeianos, com as obras ainda em andamento na rodovia Comandante João Ribeiro de Barros. “Vamos ter que nos adaptar”, completou Rinaldo José Traskini, atual presidente da associação comercial, que também é da opinião de que lojistas devem criam ações que promovam o comércio local.
Para Chikao Nishimura o pedágio existente entre as duas cidades pode ser um complicador, e nesse sentido a cidade deve oferecer melhores condições no comércio, na saúde, na educação, na prestação de serviços e demais setores, promovendo a manutenção das pessoas na própria cidade. “Com o pedágio as pessoas terão que pensar mais e melhor antes de seguirem para Marília”, reforçou Rinaldo José Traskini, que também acredita numa ação local para a permanência do consumidor em Pompeia, encontrando o que precisa com preços atrativos. “O pedágio pode ser uma barreira ou atração que compense a visita a outra cidade, tudo vai depender do que oferecermos na cidade”, disse o presidente da associação comercial que vem acompanhando os desdobramentos da construção do pedágio que tem encontrado dificuldades na manutenção do ritmo da obra, seja por causa das fortes chuvas ou questões econômicas. “Cedo ou tarde a obra será concluída”, disse.
Na opinião do vice-presidente da diretoria da associação comercial de Pompeia seria oportuna a realização de uma pesquisa no comércio da cidade para se ter conhecimento do que o consumidor precisa e o que o faria buscar em outra cidade algum produto ou serviço. “O momento é agora, afinal, comerciantes e consumidores precisam conversar e dependendo do que o consumidor disser, ainda dá tempo de conseguir criar”, complementou Chikao Nishimura ao apontar as áreas da saúde, da educação e de serviços como sendo as áreas que mais necessitam de fortalecimento. “Nosso comércio pode melhorar sempre, mas já estamos mais avançados e talvez tenhamos que evoluir em poucas áreas”, acredita ao sugerir que os comerciantes promovam esse tipo de pesquisa com o cliente. “Desde uma simples conversa, até a formulação de um questionário, mas o importante é saber o que o consumidor pensa”, reforçou o dirigente.
VALOR DO PEDÁGIO – O Governo do Estado informou os valores previstos para as sete novas praças de pedágio que serão instaladas na Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294) entre Bauru e Panorama. Os valores variam de R$ 8,87 a R$ 4,63. A informação foi dada pela Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo). O valor inicial a ser cobrado na praça de Pompeia será de R$ 8,13, e só poderá ser reajustada depois de um ano. Para ir e voltar para Marília serão R$ 16,26 por vez.

Nishimura sugere planejamento para comerciantes de Pompeia