Os rotarianos que fazem parte de 14 clubes rotários da região centro-oeste do interior do Estado de São Paulo, que compõem o Distrito 4510 do Rotary International, estiveram reunidos de forma conjunta na última segunda-feira, dia 22, quando se comemorou o Dia da Água, através de plataforma eletrônica do Google Meet, para uma exposição com o especialista Denis Emanuel de Araújo, sobre “Agua, crises e desafios”, quando em mais de 60 minutos, o convidado passou dados interessantes e atualizados sobre a preocupação com a produção e manutenção do líquido que está se tornando escasso.
“Foi uma maneira que encontramos, em reunir esses clubes, e fazer o alerta de forma consciente, dentro do calendário rotário para este mês de Março que trata dos recursos hídricos e saneamento”, disse a presidente do Rotary Club de Marília-Pioneiro, a funcionária pública, Maura Amábile Betti Fagundes de Queiroz, a anfitriã da noite que reuniu quase uma centena de rotarianos.

De acordo com o especialista que é funcionário do DAEE e Secretário Executivo dos Comitês de Bacia Hidrográfica do Aguapeí/Peixe e do Médio Paranapanema, o Planeta Terra é composto de 70% de água e 30% de terra. Desses 70% de água, 97,5% é de água salgada enquanto que passamos a ter apenas 2,5% de água doce, sendo que deste total, somente 12% de água doce se concentram no Brasil. “Isso é um desequilíbrio que certamente trará muitos problemas para a humanidade”, disse Denis Emanuel de Araújo que é associado ao Rotary Club de Marília-Leste.
“Isso se agrava com a ausência de chuvas, poluição das águas, e a falta de infraestrutura adequada para acompanhar a demanda”, disse em tom de preocupação ao apontar, ainda, a ausência de medidas de redução de desperdício, falta de controle em problemas ambientais, falta de recursos para pesquisas e qualificação de mão de obra e a ineficiência de educação ambiental para o uso racional da água.

Para o convidado expositor existe um grande desafio que o Mundo tem pela frente, afinal são 35 milhões de habitantes no Brasil, por exemplo, que não tem acesso a água tratada, e conta ainda com uma perda média no sistema de abastecimento de água onde 37%, além da falta de tratamento de esgoto despejados nos rios brasileiros, que comprometem 110 quilômetros de água.
“Seriam necessários, segundo a Agencia Nacional da Água, algo entorno de R$ 150 bilhões para investimentos em coletas, afastamento e tratamento de esgotos até 2035”, disse o convidado que ainda citou o controle de enchentes com dispositivos capazes de minimizar os prejuízos que se fazem necessários, também. “O Plano Diretor de Recurso Hídricos da Macrometrópole Paulista tem discutido muito estas questões”, explicou Denis Emanuel Araújo ao mostrar mapas e gráficos e principalmente falando sobre o papel dos 240 Comitês Estaduais e 10 de âmbito federal no Brasil, que defendem as Leis Estadual e Federal, que variam dos anos de 91 e 97 respectivamente.
“Nos comitês de bacias os Prefeitos, representantes dos usuários da água, e da sociedade civil e do Estado, discutem e chegam num consenso geral sobre como a água deve ser melhor utilizada, e quais são as prioridades de investimentos, e etc, como se fosse uma reunião condominial”, contou.

Participaram deste encontro interclubes virtual os seguintes rotarianos dos clubes: RC de Bastos, RC de Garça-Azul, RC de Marília-Alto Cafezal, RC de Marília-Coroados, RC de Marília de Dirceu, RC de Marília-Leste, RC de Marília-4 de Abril, RC de Marília-Tradição, RC de Panorama, RC de Piratininga, RC de Presidente Prudente-Leste, RC de Presidente Prudente-Rosa dos Ventos e RC de Vera Cruz. “Foi uma noite com bons motivos para uma ampla reflexão sobre o uso racional da água”, disse a presidente do clube rotário anfitrião, o RC de Marília-Pioneiro.

Compartilhar no
Rotarys Club celebram o Dia da Agua fazendo alerta