Confira três álbuns imperdíveis para você ouvir pela vitrola. Sim, os queridos LPs

TOQUINHO

Em seus 50 anos de carreira, o cantor, compositor e violonista Toquinho mantem-se como um dos nomes mais importantes da MPB. O seu segundo disco, homônimo, lançado em 1970, é um registro essencial do início da sua trajetória. Esse álbum, que marca sua estreia como compositor e cantor, volta às prateleiras em vinil de 180 gramas pela coleção “Clássicos em Vinil”, da Polysom. “Toquinho” foi gravado no estúdio Gazeta com direção da produção de João Araujo. O álbum traz 11 faixas, sendo a grande maioria de sua autoria.

SAMBA NA MADRUGADA

“O samba carioca como ele é todo lindo, cheio de graça e simplicidade”. Assim termina o texto de Herminio Bello de Carvalho sobre o disco “Samba na Madrugada” (1968), impresso no encarte do LP. O álbum, lançado em 1966 com o nome “Na Madrugada”, une dois mestres do samba, Paulinho da Viola e Elton Medeiros. Esse importante registro da música nacional volta às lojas pela coleção “Clássicos em Vinil”, da Polysom, em vinil de 180 gramas. O disco traz 11 faixas, assinadas uma parte por Paulinho da Viola e outra por Elton Medeiros.

CHICO BUARQUE

No início da década de 1960, um dos maiores nomes da MPB, Chico Buarque de Hollanda, começava sua carreira nos palcos e em gravações. Antes mesmo de completar 20 anos de idade, ele apresentou em 1965 pela RGE (Som Livre), seu primeiro registro em disco, o compacto “Pedro Pedreiro/ Sonho de Um Carnaval”. Nele estão as duas músicas do título, ambas de sua autoria e interpretadas por ele. O compacto raríssimo também voltou às lojas pela coleção “Clássicos em Vinil” da Polysom.

Compartilhar no
Na ponta da agulha